domingo, 10 de maio de 2009

As jardineiras

Eram duas irmãs e, infelizmente, inseparáveis. Uma era mais velha que a outra, pode-se dizer uma vida a mais de experiência. Talvez por sua maior experiência, a mais velha sempre vinha a desgraçar os sonhos da mais nova. Sempre que a pequena tinha aquela idéia brilhante que todos temos em algum momento, a mais velha destruía o novo sonho: "Fiz isso quando era mais nova, não dá certo, desista". 

Viviam a brigar, por esse e por outros motivos. Mas não se separavam, conheciam-se e sabiam como eram dependentes uma da outra. A mais nova dependia da mais velha porque nela estava seu medo, não queria crescer assim. À mais velha, cabia-lhe o papel de educar sua irmã, já que nunca nenhuma delas havia conhecido seus genitores.

Num tempo distante, ambas por fim concordaram numa coisa. Tiveram a mesma idéia: resolveram construir um jardim. Afinal, a mais velha vivia no ócio e a mais nova talvez teria botado os pés no chão e acordado para a realidade. Talvez. O jardim não era um negócio, era um passatempo. Se divertiam vendo suas novas plantas crescendo e evoluindo. As árvores lhes falavam coisas aos sussurros, lhes contavam casos da época em que eram sementes. As duas irmãs dividiram suas funções. À mais nova, foi dada a jovial função de semear, à mais velha coube podar as árvores quando necessário.

Depois de muito tempo as árvores do jardim resolveram criar a discórdia entre as irmãs. Revoltadas com a agressividade da mais velha, sussuram-lhes coisas aos ouvidos (sabe-se lá o que) que as tornaram inimigas. A primogênita respondeu num tom ainda pior. Num momento de raiva, queimou todo o jardim e nele enterrou a irmã que matara.

Soube-se depois que as árvores que viviam naqueles jardim eram conhecidas como homens e que no túmulo da irmã assassinada estava escrito:

"Mais uma Vida queimada pela Morte."

4 comentários:

  1. Vianninha, se eu te falar que você ainda pode desenvolver em muito esse texto você acredita?
    Sério, a idéia é ótima, mas você ainda pode escrever MUITO mais do que isso!
    Abraços

    ResponderExcluir
  2. Dani,
    Realmente, eu acredito que o tema possa ser desenvolvido. Mas eu tenho alguma dificuldade em elaborar a estrutura de um conto. Se você conseguir, sinta-se à vontade. Eu vou dar uma idéia no Joni, ele consegue escrever coisas mais prolongadas. Às vezes, nas férias eu posso até tentar!
    Fico feliz que você tenha gostado da idéia!

    ResponderExcluir
  3. Cara, esse texto estava impressionante, até que você o queimou junto com o jardim no quarto parágrafo. A história entre as duas irmãs era extremamente convincente, o laço entre elas e a metáfora do jardim foram ambos escritos com certa maestria, mas você colocou tudo a perder no final. Se o Daniel te aconselhou desenvolver mais o texto, eu te aconselho a deixar com está e reelaborar o final, não estou falando de mudar a idéia por trás do conto, mas de desenvolver a metáfora e não entregar o significado desta de modo explícito. Parabéns pela idéia e parabéns pelos três primeiros parágrafos que ficaram excelentes. Caso você reescreva, poste aqui de novo para nós ok? Abração!

    ResponderExcluir
  4. Gui, a minha idéia ainda previa a metáfora ser entregue, então faria mais sentido escrever mais. Mas sem entregar também é bem melhor - é o que eu, pessoalmente, normalmente faço.

    ResponderExcluir