quinta-feira, 18 de junho de 2009

Crônicas Carpe Diemnianas volume onze: Primavera


Nasceu prematuro, como se estivesse com pressa de vir ao mundo.

Aprendeu a falar, escrever e andar em tempo recorde. Quando tinha completado cinco anos já ia em sua bicicleta para todos os lugares.

Nunca deu problemas para seus pais: quando acordavam o café já estava pronto e a mesa posta, quando tinham que trabalhar até tarde chegavam em casa para encontrar um bilhete lhes desejando boa noite e o filho já na cama.

Era o aluno mais exemplar da escola. Nunca perdeu uma média, desrespeitou um professor ou se atrasou para uma aula. Tudo o que aprendia lembrava, e mesmo sabendo tanto ainda maravilhava os professores com seu interesse.

Durante seus estudos universitários - geniais, devemos também dizer -, era ídolo nacional e estampava a capa de todos os jornais. Não por seus estudos, mas por sua meia máscara estampada com imagens de seus ídolos.

Nunca conseguiu trabalhar, sua insaciável sede de conhecimento o levava ao redor do mundo em viagens nas quais entrava em contato não só com os maiores pensadores e mais importantes ativistas, mas também com todo o povo do país. Quando a estrada o chamava de volta podia ir aliviado vendo o que deixava para trás.

Conseguia, para cada um que o cativava, pintar uma tela ou escrever algumas linhas, sempre surpreendendo a todos com o quanto sabia fazer.

Em vários lugares deixou sua marca na arquitetura, conseguindo criar construções únicas em diversos pontos do globo, com tantas diferenças entre si que nenhuma pessoa sã arriscaria dizer que são do mesmo arquiteto.

Casou-se no meio de sua vida com a mulher mais incrível que já pisou sobre esta Terra, com quem teve o casamento mais feliz da história.

Em sua vida sedimentada, sua fotografia correu o mundo, e seus filmes são responsáveis pelo nascimento de muitos dos pensadores contemporâneos.

Teve o prazer de visitar vários dos governantes do mundo, que convidavam sua família para jantar, e também de ser visitado por todos os ativistas de então, que procuravam nele inspiração.

Morreu ontem enquanto dormia, e conseguiu revolucionar o mundo, as artes, a filosofia e a sociedade de seu tempo, tudo isto em seus sonhos.


[Foto por Daniel Nunes]

3 comentários: