sábado, 27 de junho de 2009

Libertas quæ sera tamen


All animals are equal, but some animals are more equal than others”

George Orwell, Animal farm.


Somos todos livres para fazermos o que queremos: temos todos acesso à educação, cultura, saúde... Não consigo entender de onde vem toda essa crítica social.

Veja bem: você tem tanta liberdade agora que está sentado na frente do computador lendo este texto. Poderia ter optado por fazer milhares de outras coisas mais urgentes, mas está lendo. Pode ser que agora já seja tarde, talvez devesse ir dormir: o trabalho ou a escola já chamam logo de manhã bem cedo; ou talvez seja logo de manhã, talvez devesse ir passar o seu café, proveniente das grandes fazendas dos latifundiários; é, talvez a boa idéia seja mesmo imprimir o texto para poder lê-lo mais tarde, além de ser também a melhor forma de expressar a sua liberdade de ignorar os ativistas ecológicos.

Mas voltando ao meu ponto principal, somos livres de quando viemos ao mundo até quando nos vamos dele.

Desde pequeno você já era livre para poder engatinhar para a esquerda ou para a direita, dormir ou não, comer ou fazer birra - aposto que ‘fome’ ou ‘comida’ estão entre as primeiras palavras que você aprendeu, não?

Mas não pára por aí! Você foi crescendo e as maneiras de mostrar sua liberdade foram multiplicando: você escolheu estudar e perseguir uma carreira; você pôde escolher entre ter preconceitos contra minorias ou não, você e seus amigos puderam escolher entre beber ou não, entre fazer ou não sexo, entre fumar e usar drogas ou não. Fizeram todas essas escolhas juntos, já que somos todos livres.

Somos todos tão igualmente livres que obviamente seus amigos fizeram as mesmas escolhas que você. Mas tudo bem, isso só significa que a amizade é melhor, já que todos têm os mesmos interesses!

Finalmente, mas não menos importante, temos a melhor forma de expressar nossa liberdade: as eleições! Como não?!

A cada quatro anos temos a chance de definir o futuro do país votando em nosso queridíssimo Presidente da República. Nossa liberdade nesse ponto é tão extrema que em nosso país votar é muito mais do que um direito, é um dever do cidadão: devemos mostrar que somos livres. E é claro que para facilitar mais ainda a nossa dificilíssima escolha temos a televisão e a mídia em geral. A mídia nos ajuda a decidir qual é o melhor candidato para tomar o poder no país tão devotamente que é quase um pecado não ter escolhido em qual candidato votar no dia das eleições.

E eu poderia falar ainda de várias outras liberdades que temos, mas acabamos de achar um fantasma na escola e tenho que voltar para a aula de alemão!


[Foto por Daniel Nunes]

4 comentários:

  1. hehehehehe, ficou legal, boa crítica.

    ResponderExcluir
  2. ficou divertido!
    acho que vi o protótipo disso faz um tempo, já

    ResponderExcluir
  3. boa crítica! [Hicks!] (sem ironias!)

    ResponderExcluir
  4. hahaha
    Valeu! Acho que não consegui ser sempre tão 'sutil' quanto queria, mas tá valendo... (:

    ResponderExcluir