segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

Monday


Ludovico Einaudi - Monday


Monday air, cloudy air
In white misty mood
The factories’ smoke rises.
Time is straight
Time is strayed
Hours delayed, thoughts conveyed,
White misty mood,
Grey straying smoke.

Monday, memories of dreams,
Mindless steps reaching to
A blank mirage.
Sleepy, unwilling,
Anonymously feeling.
Sights fly aloft the clouds, grey, soft.
The eyes cannot see
The mind ignores.
White misty mood
Grey straying clouds.

Monday, silent poetry,
Beauties, colors, unseen
Shining opacity.
Unreachable to time
All-mystified in dreams
Dull, forgotten, nude
Grey straying mood.
Memories, visions, emblems
Oblivion, fog, where we lose them.
Monday, white misty mood,
Mondays, grey straying life.

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

The softest sensations sail
Spreading incense through de air,
And this aroma all leafs exhale
Bear visions of thy golden hair.

Oh how neat thy snow-white skin
Absorbs the colors of the winter.
And in thine eyes, though far they seem,
All tones of blue gather and glitter.

Kindled by the dying sun
Thou knewest not that there I stood,
Cover’d behind the shrubs of plum
I stared thy courteous maidenhood.

And every time I think of thee
My mind does fare as much it may,
But if I consider a courtesy
My body halts, my thoughts say nay.

And thus I lay tangled in woe,
Too shy to escort my gentle belle
I weep my tears and dry my soul:
Too deep a grief, too deep to tell.

Alas, how terrible a state,
I’ll never step thy beauty dome!
Shall reconcile with my fate
To dream of love, but wake alone.

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

Ai futuristi: Il futuro

HERE COMES OUR LEADER!

HAIL! HAIL! HAIL!

VRUSH VRUSH VRUSH


We’re piling the bodies,

We’re cleaning the world.


HERE COMES THE PANZERWAGEN!

TROC TROC TROC

VRUSH VRUSH VRUSH


We’re crushing the bodies,

We’re cleaning the world.


HERE COMES THE ATOMIC BOMB!

BOOM BOOM BOOM


--------------------VVRRUUSSHH------------------

------------------------------------------------

--------------------------------------

We’ve wip'd out the bodies,

And this world

Is now

-----

---

-

-




Clean

sábado, 6 de fevereiro de 2010

PERPETUUM MOBILE


Juvenilia. Ecoadas das Cigarettas. A juna Filla àuscultar Jazzes hispanizatos.

- Qu’é que tu vens de mim, Padre?

Juvenilia lui demanda. Sus Óquios quiusos e oscuros d’um’Infantina pérfida lhe manjam tù la Forme. Ella seraì vulnerábel. Avecom sus Misdemenuras de quim rolda un’Afectatiõ d’autras Âges, Gesturas pleinas de seus Messieurs-Dames.

- Qu’é que tu saves, m’Infanta?

- Non lo sei, mon Padre. C’é tù confù pur me.

- De que tu parlas, mi Pequenha?

Ella sente uns Frissonamentos lhe correrem pelas Jambas alvinas. Y há um Tremor que l’atraversa tut’inteira, que la percourre pelas Épolas àtingir sus Dedos que tremeluzem. Sente-se ella defalhir, tombar a evanuir, sen Adornos aos quais clingar seu Cuerps decuvèr.

- Pater mio, il y há qualque Chosa que non puedo graspar bienamente em tù celà. Cerco pr’uma Fluida mater, um Totencompassamento das Chosas. É-se que puedes-t m’aydar?

- Dire mia, que puedo-j? Soy Tutor a ti, maì Atributiones mignas são totas de montrar-t teus Alluros.

- Ma Seignore, non retengo-j Tenura qualconqua sur las Chosas del Mondo. Tù m’evanesce, tù m’echappa das Mãnos.

Él agora regard’as Jambas lungas de Juvenilia em seu Stupor. Ellas mantênem um Rhithm legero, ligeiro, que s’étende em Rábia madescente jusqu’aos seus Lèvros. Él deduce qu’ella é tuta Char, Fleischa.

- Chera, és domada. N’aguarda qu’à Damnaçõ. Jo que t’atend’en totas tuas Prièras clementas.

Ella descend’as Escalieras allungadas, enroscando pêle-mêle suas jupas nos Balaústres de Marble, Ivoar e Velùr. Sangre bombinante a gushar de ses Pechos desencarnatos. Garda no Collar um’Ardência fiéria. Se precipita tut’inteira par os Porches très altivos, derriband’en Fallida par’la Nège que l’atenta afora. Éclat’a Tempêste blanca que lui fa Paura grave. Vênem Desiros ernestos de Flita, d’Escapo.

Dè qu’um rentra dan la Zone, il n’y há que des Umbras d’um Mondo sins Soleil. Soledade. Las Lumièras lhe slasham las Joues. Enrugescem suas Fituras que conformam sa Complexiõ. Juvenilia se losteia par Culs-de-sac que demonstram los Cheminos que aparetrem avante. Tù-t-é Confusiõ e Fleischa fur s’Esprito juno. Common devria-t-ella graspear questos Phenômenons infatomábeis? Ella exhibe ses Brestos fúlgidos commo Anserida seula e corporeosa a questas Angoishes que lhe hauntam. Son Cuerps è hecho thorolemente de Muscles tesos e rigidosos que flauntam Virtù infinì que sola la Sanitad propra puode ostentar. Commo Résponsa àquilo tù que lui assola suas Grivanças mondãs, Juvenilia rolda sus Qualitads irreplaçábeis d’êstre onlamente inachavada, extemporaneosa.

- De suir bellemente - ella dì - tellamente francha e candida, de suir cesto que soi jo, c’é sufisante pur declarar que jo soi mymêsme, individuella, Nomenclatura uniqua ma vuelátil. Hai qualq’um capábel de me dechiphrar em minha úter Ubiquitad? Hai qualqu’uno chi mi dechira las Fleischas, las Chars hallucinatas de jun’Infanta?

Son Seignor la regarda fitamente, Observatiões d’uno que l’accompagna depuois Periods lungos. É hárduu dicere qu’él mantiene uma Demenura deçù, poisque ses Óquios són factamente blandos e sinexpressionatos. Nadie, nada, persona lui distingua qual Sort de Abattemento covre son Crâno. Hai sumachosa de comprehensiblo n’aquilo que nostras Fâncias divisam? Il n’y há ningun’Idéa qu’arriva aoux dois Individuus sur l’Essença de sons Surrondimentos. Apròs gazar Silyuettas pleinas de Junezze, il fò ateindgrir un Trèholdo, um seuílio de Conciônezze sur ono’s Ojeto d’Análysì. Quellas són las Òvras fatas de cestas Generatiões uniquas e interminábeis?

Suarmas de grand’Afflictiões se revuelvem aoutourno de Juvenilia. Ella prendre un Sete de Carts. Indulgindo em Remembrâncias vetustas, que traversam sus propras Cognitiões, ella rappela Nuites de Fumes, de Mistas brumosas, Bruillardas que lhe covrem tod’o Temperamento.

- Quel è thin’Enjeu? – lui demanda son Maîstre que la stara de certena Distancea.

Ella lui fa peu d’Attentiõ, encravada on sus Devisamentos d’aquellos Tiemps oscuri e nimbosi, quand Vox de Cigarettas ecoavam sovre sus Deslizamentos de Maladias personales. Apanha dans l’Aire Beautesas que lhe éschapavam toujours, ma no las apprehende veramente. Són Musicalidades meltand sur suas Temples, donand-lhe Têstedouleuras, cancrand sua Mentalitad tù pervasiva, tù misguidante sovre los Champs qu’ignora.

- Ouïamos la Músique d l’Eáucqua. – Juvenilia prya suppliante. – Cueille-me Smokas ripas fur adornar-me as Guirlandas de meus Whimos, de mes Velleità. Branchos sèches, Bones dessechados, ils tùs rempliam minha Skulla nacarada, couchand doulcemente sor la Surfacie véquia qu’heirdei des Generatiões previosas, lasquellas m’hão jetada aoux mes Giorni. Minha Giornata d’ayer è la misma d’hoy, blurradas soub as Curlas de ma Chevelura copiousa.

Ona Perturbatiõ, ona Falta-de-Repos embraça sus Chagrinas, claimand por Larmas expurgadas. Elle se sent commo desencorpada, excorporeosa. As Fumas que la surroundam són Vagues de Perceptiõ que lui atteindrem commo étrangeros Spectaclos. Sensos de Nõ-Pertencença, de Lançamento exterior. Juvenilia se desregla em meio a uma Foule de Pensatas. Sus Pensieri són lasquelles d’algun’autro; sus Pensieri, comprimidos in um Spaço de deux Doigts, són Réflexiões executadas au-dehors d’elle-mêsme. Elle è commo totabsortiva, nunc e por tosdías. Leiada sur sus Âlmes voladas, Juvenilia pussa aquellos Crys d’Enfantina, falseand una Presence que nõ tien. Són Falsettos qu’éschapam de sua Gorja blancha, criand ses Palais-de-Verre insustenabiles dans la Finezze del Aire. Più qu’ell’entraîna sus Aspiratiões de Libertà e Grâzia, più Juvenilia s’engulfa dens les Erreurs que non sõ suyos. Lo que más ell’essaya de pratiquar ès su Qualitad de juven Maide. Desarrolla-se em Fábriquas qu’encapsulent suas Líneas, emportent sor ses Formes certos Diseños arabesquos, qualquas Couleures plutôt pictóriquas. És um Ventre que nõ conceive seus Fruits dûs, árida Glace de fines Demesnes.

Elle, Individuu rasé, Char intrespassable, Juvenilia. Les Événementos ocurren tùs sor um Plan de Éloignemento, de Non-Interactiõ.

Quoi fare? Ella commo no se appartient, commo no s’expand en si-mêsme. Compressa-se em Autoêstre, indéfinie a tù que la envuelve. Soy commo jetada a des autres Spazi, a des autres Domainos au-dehors de minha Portada. Et si jo no belongo mismo à mi propro Tiemps, à l’Époqua qu’è à mi sola, que podrei jo denstro de ma Cage d’Horloges-de-Sable, enjailada bajo les Barreaux de Rêvos insustenuti? Rêvos che nõ sõ à moi, Rêvos che m’envahem con Rágia feroce et Ímpetus sinmercicordioso.

- Et si tu nõ appartiens mismo à tut’una Generatiõ? Lui inquira son Maîstre, son Paterfigur. Ès possible che nõ exista più, che sea Sueño de sus própres Projectiões, Nuage infindável de Concrétude dechirata.

- Alas! Hélas! Quelle Misère... Jo que tù manjo, tù devouro, jo que soy Fleischa una e Matière tangíbel! Jetada au Esfalecimento, lançata aux Bruits de Foames inconcrètes! Quelle Horreur!

- C’est l’Heure. Il faut que tu dormes.

És sola Olvido, seule Oubli, ganz Oblivion.

Modernistic Dance

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

"We idly cast away our speech"

A simple sonnet on a simple matter.


We idly cast away our speech

As if it was all made of dust,

When all the quiet hearts beseech

Is nothing more than will and lust.


But we know our hearts beguile,

So we don’t hear its fainting voice.

We try to make each other smile

And play along, we have no choice.


And lo! How eloquent you stand,

You are a master in this game

No matter how your spirit thrills.


But my pawns tremble in my hand

For you knew not my poet’s fame

Who weeps all night his lack of skills.

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

26 de janeiro de 2010. #35

(Infinito)
‘Porque mesmo que o nosso tempo não seja infinito, eu gostaria que as minhas lembranças de você fossem – infinitamente reais, infinitamente presentes. Assim, quando eu sentisse saudade, e eu vou sentir, bastaria pensar um pouco em você pra lembrar – e quem sabe até viver de novo – as palavras, as surpresas e os abraços... E me encontrar, assim, mais longe da solidão. E mais perto de você. ’
Lembra disso? É, provavelmente não... Você me deu um livro, uma vez. Dentro do livro, você escreveu isso, num papel, com base no dia anterior:
-Interessante você ter desenhado um ‘infinito’ no meu braço... Sabe, o infinito me lembra você.
E eu perguntei por que. E você não respondeu – não na hora, ao menos. Surpreendeu-me com o presente no dia seguinte. Esses eram os tempos em que você me ensinou a acreditar em você. A acreditar em nós. Mas isso já faz, o que, um mês?

Hoje eu acordei e me deparei com uma nova mensagem sua, dessa vez, no meu celular:
‘Terminamos aqui, então. Obrigado por tudo. ’
Porra, que merda é essa?! E pensar que eu estava começando a me doar por um relacionamento fadado ao fim, de cara. Tá, você alega que nós estávamos muito distanciados e todo aquele blábláblá típico do fim. Talvez nós até estivéssemos, mas isso é motivo pra terminar um relacionamento assim, do nada? Sem mais nem menos? Você esqueceu que quem insistiu pra que eu – que já teria terminado há eras – me esforçasse foi você. Você me fez acreditar que ‘nós’ poderíamos funcionar. Você me decepcionou quando desistiu antes de tentar...
Eu nem consigo sentir raiva de você. Um pedaço meu sempre será seu, é assim com todos os relacionamentos: algo vai continuar nos ligando, não importa o que aconteça. Eu me sinto mal comigo mesma, por não ter visto isso vindo. Odeio-me por me dar o luxo de acreditar que não me feriria novamente com quem quer que fosse. Acho terrível a maneira com que você me iludiu.
Mas, tudo bem, eu sobrevivo. Como você disse, eu devo estar exagerando. Mas aprenda: não se faz isso com as pessoas. É cruel, pra dizer o mínimo. Não machuque mais garotas como fez comigo. E não se machuque com elas também, odiaria te ver sofrendo.
Alimentar relacionamentos sem futuro e não dar sinais do fim. Criar expectativas que você sabe que não poderiam ser alcançadas. Mentir. Não faça mais isso. Não sofra por isso. Você é mais do que imagina.