quinta-feira, 6 de maio de 2010

Crônica de fim de primavera

Desde o início, pra Jui, mo chara.

Ei, só tô te escrevendo pra dizer que estou feliz. Pra você não ficar preocupada como ficou aquele dia. É que a gente acha demais que ficar até tarde de noite no computador trablhando não faz mal, que no dia seguinte vai estar tudo bem. É que a gente pensa demais que pode viver como se não fosse com a gente, como se não tivesse nada a ver com isso. E continuaria pensando que viver assim também pode ser felicidade, se não existissem esses dias de fim de primavera. Esses em que a gente vive como se fosse assunto nosso. Esses em que a gente não vai à aula ou ao trabalho para fazer teatro, e vê mais cedo a luz do dia que aparece pela primeira vez em algumas semanas. Aí a gente entende que existe plenitude, e se sente o super homem do Nietzsche em alegria. Se permite correr na rua quanto e como quer, e entrar até nas lojas que não têm nada a ver, e de repente se vê no alto do arco do viaduto de Sta. Tereza, em plena luz do dia, e se acha dono do mundo.

Hoje eu iria a pé do Floresta até Nova Lima, e já fiz metade do caminho. É que me sinto vontade de Schopenhauer e todo mundo é igual a mim. Hoje realizo a vontade toda e ela se desfaz, e o mundo todo é radiante como eu.

Não tenho coragem de ouvir minhas músicas e ligo o rádio, quero cantar e só na minha língua. Até os cafés que tanto amo para escrever me parecem repugnantes com sua luz baixa e cheiro de gente que não descansa. Hoje quero receber luz e achar que crio vento quando corro e meus cabelos parecem rir.

Quero também alguém com quem eu possa compartilhar tudo isso, mas não tem...

Todos meus amigos estão longe: pro norte, pro sul, pra dentro. Dentro de si ou de preocupações... mas tudo bem. Hoje posso reinventar vocês todos e compartilhamos do mesmo desvario, entre nós não há mais espaço que num abraço.

Amo vocês, e lembrem-se sempre que amo vocês como só é possível em dias como esse. Mesmo nos outros dias, mesmo quando e se voltar a achar que se pode viver de outro jeito.

sejam felizes também, queridos.

3 comentários:

  1. Me sinto dentro. Mas não por isso menos feliz.
    E você é um bom motivo de felicidade, sabe muito bem! Quando fico perdido você está sempre lá, com o mesmo olhar de chapada-não-acredito-que-isso-tá-rolando na cara; e a gente cai na risada.
    Acho que finalmente aprendemos a levar os problemas na brincadeira... mesmo as coisas mais sérias, conseguimos agora lidar calmamente.
    Foi bom crescer com você, Amanda.

    ResponderExcluir
  2. Um texto desses e você foi usar logo Nietzsche e Schopenhauer? hehehehe

    ResponderExcluir
  3. Vai ser bom continuar a crescer com você, Dan, independente dos caminhos que a gente seguir por aí. Nunca vamos estar tão distantes quanto o espaço permite, vamos?


    E o que tem usar Nietzsche e Schopenhauer?

    ResponderExcluir